Novidades

C6 Bank zera emissões de carbono de 2021

A compensação foi feita pela compra de créditos de carbono gerados pela preservação de áreas da Amazônia, em parceria com a Carbonext


Imagem de uma árvore vista de baixo, com um tronco largo e a as folhas na parte superior

O C6 Bank recebeu o selo de carbono neutro da Carbonext por compensar as emissões decorrentes de sua operação, em 2021. Durante o ano, as empresas da Carbon Holding, grupo do qual o banco faz parte, emitiram 1.115 toneladas de CO2 e compensaram a totalidade delas com a aquisição de créditos de carbono gerados pela preservação de áreas da Floresta Amazônica.

O cálculo da pegada de carbono anual da Carbon Holding utilizou o escopo três que, além de variáveis tradicionais (efluentes, energia e resíduos), considera viagens de negócios e deslocamento dos colaboradores. Essa é a segunda vez que o grupo compensa a totalidade de suas emissões anuais. Os créditos de carbono referentes ao ano de 2020 foram compensados na mesma forma, mas contribuindo com outra região da Amazônia.

“Em 2021, nossa operação cresceu e as emissões de carbono refletiram isso. Temos o compromisso de reduzir e compensar todas as emissões remanescentes decorrentes dessa atividade e escolhemos fazer isso com um projeto socioambiental que vai além da reposição de cobertura verde e que contempla o desenvolvimento de uma região e sua população”, diz Alexandra Pain, head de marketing e impacto social do C6 Bank.

O projeto de preservação da floresta tem gestão da Carbonext, pioneira no desenvolvimento de projetos REDD+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação florestal), em 39 mil hectares na Amazônia. São áreas em risco de desmatamento, que recebem incentivo à bioeconomia e protegem sua biodiversidade. Por meio da venda de créditos de carbono, a empresa devolve à floresta 70% da renda gerada pela comercialização dos créditos para defesa e monitoramento, contribuindo também para o benefício e desenvolvimento da população local.

“Nosso esforço é no sentido de conectar a floresta e as cidades, para o desenvolvimento sustentável do planeta e da bioeconomia”, diz a CEO da Carbonext, Janaína Dallan. “Parcerias como essa com o C6 Bank incentivam cada vez mais empresas e pessoas a refletir sobre a importância da neutralização de emissões para manter a floresta em pé e reduzir o impacto do aquecimento global para o planeta e as futuras gerações”, ressalta.

Entre as iniciativas locais, há treinamento técnico em agricultura sustentável para que a comunidade possa fazer o cultivo e colheita sustentável de açaí, plantas medicinais e borracha.  Além dos pilares de educação ambiental e geração de condições de emprego para o desenvolvimento econômico, foi organizada uma iniciativa voltada para a saúde da população, baseada na instalação de banheiros comunitários com saneamento básico e a construção de um centro de saúde com clínica dentária.

Compromisso ambiental

O C6 Bank desenvolve iniciativas recorrentes voltadas para a preservação ambiental e combate das mudanças climáticas. Em dezembro de 2021, o banco lançou o primeiro cartão biodegradável do Brasil, o Acqua, feito a partir do milho, com o objetivo de reduzir o consumo de plástico, material que pode levar 400 anos para se decompor na natureza.  

Para acompanhar a novidade, o C6 Bank incluiu a oferta de créditos de carbono na C6 Store, o marketplace que funciona no aplicativo do banco. Com isso, os clientes ganharam a possibilidade de reduzir ou neutralizar sua pegada individual de carbono. Cada unidade de crédito de carbono oferecida na C6 Store equivale a uma tonelada de carbono que deixa de ser liberada na atmosfera.  

Clientes do banco também podem fazer doações, por meio da C6 Store, a uma instituição de preservação ambiental — o Instituto Terra, fundado pelo casal Lélia Wanick e Sebastião Salgado, que trabalha pela restauração ecossistêmica da Mata Atlântica, além de promover educação ambiental e desenvolvimento rural sustentável no seu entorno.

Sustentável por dentro e por fora

A sede do C6 Bank, na região central de São Paulo, possui uma alta ecoeficiência, comprovada pela certificação LEED (Leadership in Energy & Environmental Design), desenvolvido pelo Conselho de Construção Verde dos Estados Unidos, que reconhece boas práticas no uso de recursos naturais em prédios corporativos.  

O edifício privilegia iluminação natural, com um projeto automatizado com sensores de presença e dispositivos para aumentar ou reduzir a iluminação. Já o sistema de ar-condicionado foi desenvolvido para atender diferentes espaços conforme as características térmicas de cada um deles, o que aumenta o conforto dos colaboradores e potencializa a redução no consumo de energia elétrica.

Além disso, todo o sistema hidráulico conta com redutores de vazão para que a água seja usada sem desperdício. No subsolo do prédio, os colaboradores contam com bicicletário, vestiário e carregadores para veículos elétricos, o que incentiva o uso de meios de transportes de baixo impacto ambiental.

Outras frentes 

Em 2021, o C6 Bank se tornou o primeiro banco digital a se associar ao Instituto Ethos, organização sem fins lucrativos que tem como missão mobilizar, sensibilizar e apoiar as empresas na gestão responsável dos negócios. Em nível internacional, o banco passou a integrar a Rede Brasil do Pacto Global, que reúne mais de 12 mil empresas e 4 mil organizações não empresariais. Idealizada pela ONU, essa é a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, presente em 160 países. 

Até o final de 2022, o C6 Bank se comprometeu com o plantio de 25 mil árvores, em uma meta individual do banco que integra uma iniciativa maior, por meio da Coalizão Planeta Priceless, que une esforços de diversos setores para combater as mudanças climáticas. A meta da Coalizão é plantar 100 milhões de árvores no mundo em cinco anos.