Guia do Investidor

Perfil de investidor: descubra o seu

O perfil de investidor muda ao longo da vida e reflete o seu momento atual


Foto de um modelo de terno e camiseta preta sentado em um banquinho de madeira, inclinado para frente, com os dois cotovelos apoiados nas pernas, segurando um celular com o aplicativo do C6 Bank aberto, pensando no perfil de investidor
Perfil de investidor: descubra qual é o seu e como funciona o match dos investimentos

No mundo dos investimentos, é muito comum dizer que determinada aplicação é direcionada a um perfil conservador, enquanto outra atende a perfis de investidores mais agressivos ou arrojados.

O investidor brasileiro é, tradicionalmente, mais conservador do que a aplicação em ações, considerada arrojada.

Mas o que significa um perfil de investidor? Por que algumas pessoas são indicadas para determinados investimentos e outras para outros? É possível mudar o meu perfil?

Antes de mais nada, é preciso entender que melhor investimento é um conceito relativo. O melhor produto para cada investidor varia de acordo com diversos fatores, como o perfil de risco e nível que se aceita correr, o prazo e o objetivo. São esses fatores que o tal do perfil de investidor espera capturar.

O que é perfil de investidor? 

Vamos do começo. Desde novembro de 2013, quando foi publicada a instrução 539 da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), todos que oferecem investimentos são obrigados a verificar se produto e cliente são compatíveis.

Essa verificação busca dar a garantia de que investidores não serão induzidos a riscos de perdas e oscilações com os quais não tenham prévia ciência.

Importante frisar que a falta de compatibilidade entre investidor e investimento não proíbe que o cliente ainda assim decida contratar um determinado produto. Ele tem esse direito, desde que o intermediador deixe claro quais são os riscos embutidos e o investidor se diga expressamente ciente.

Relacionadas:

Como saber meu perfil de investidor? 

De acordo com a CVM, as entidades devem levar em consideração três fatores para determinar a aderência do investimento ao cliente. Eles são:

  • Se ele é adequado aos objetivos de investimento desse cliente.
  • A compatibilidade da situação financeira.
  • Se o cliente possui o conhecimento necessário para entender os riscos embutidos.

A entidade permite que os bancos ou corretoras façam a consulta aos seus clientes de forma pessoal ou por meios eletrônicos. Após a consulta, tanto os clientes quanto os produtos de investimento devem ser colocados em categorias pré-definidas, daí a combinação ou não entre cliente e produto.

Os critérios da CVM listados acima são destrinchados em uma lista de pontos que devem ser levados em conta e que vão desde a razão do investimento até a formação acadêmica do investidor.

Há dois fatores que são essenciais: o risco e a liquidez do investimento.

Liquidez do investimento

A liquidez é o prazo em que um investimento pode ser resgatado após o pedido do investidor. Quanto maior a liquidez, mais imediato é o resgate.

Risco

Já o risco é a mensuração de em que proporção um ativo pode se desvalorizar a ponto de que o investidor perca dinheiro.

Ao abrir a conta de um cliente, o procedimento usual é que os bancos ou corretoras enviem um questionário para ser preenchido, o suitability. As questões principais a serem esclarecidas são quanto o investidor tem de patrimônio, quanto recebe mensalmente, qual é a sua familiaridade com investimentos e qual é a sua disposição a correr riscos.

Meu perfil de investimento é permanente ou ele pode mudar?

Não só pode, como geralmente muda ao longo da vida. O perfil reflete o momento.

Por exemplo, uma pessoa com perfil investidor agressivo comprou uma casa e, para isso, utilizou parte expressiva do seu patrimônio. Com isso, ele passa por uma mudança de perfil, precisando diminuir a margem de risco e ter mais liquidez.

Os perfis de investidor 

O mercado normalmente classifica os investidores em três grandes grupos: conservadores, moderados e arrojados.

No C6 Bank, por exemplo, os perfis são divididos em 3 níveis. Veja quais são eles:  

Nível 1

Seu objetivo é proteger seu patrimônio correndo o mínimo de risco possível.  Por isso, os investimentos indicados são os CDBs e fundos de renda fixa para nível 1. 

Nível 2  

Sua tolerância a riscos é um pouco maior. Mesmo que a prioridade seja proteger seu patrimônio, você aceita se arriscar um pouco mais em busca maiores rentabilidades. Por isso, os investimentos indicados são os CDBs, fundos de renda fixa e fundos multimercados. 

Nível 3 

Experiência com investimentos, aceita correr mais riscos em busca de maiores rentabilidades e tem mais tolerância a perdas. Por isso, tem à sua disposição opções como CDBs, fundos de renda fixa, FIIs, fundos multimercados e de ações, ações, ETFs e BDRs. 

E você? Já fez o seu suitability? É só acessar a área de C6 Invest no seu app do C6 Bank e responder às perguntas.

Leia também: 6 erros comuns dos investidores bem informados