Guia do Investidor

Fundos de ações ou investir direto na bolsa de valores?

As duas opções possuem vantagens e desvantagens, sendo cada uma mais adequada a um perfil de investidor


Mulher sentada em frente ao computado com cara apreensiva com dúvidas sobre Fundos de ações ou investir direto na bolsa de valores?

Com a queda dos juros, os produtos de renda fixa já não são tão rentáveis quanto eram há alguns anos. Por isso, os investidores buscam por outras modalidades de investimento, aumentando o interesse por ações e mais ativos de renda variável.

Relacionadas:

Como escolher onde investir?

Tudo irá depender do grau de conhecimento sobre investimentos e da disponibilidade de tempo para administrar a carteira.

Nos fundos de ações você confiará seu dinheiro a gestores profissionais que vão elaborar e executar estratégias de investimentos em ações. Já na bolsa de valores, você comprará e venderá ações de maneira própria.

Como funciona o investimento direto na bolsa de valores?

Para negociar ações diretamente na B3, a bolsa de valores brasileira, o investidor precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores.

Hoje em dia, a maioria das operações é feita diretamente pelos investidores através de um Home Broker, plataforma digital que as corretoras oferecem para que os investidores negociem de forma online, em seus smartphones ou computadores.

A opção de investir direto na bolsa de valores é indicada para quem já possui experiência com o mercado de ações ou até mesmo para quem quer adquirir essa experiência na prática. Além disso, o investidor precisa ter tempo livre para analisar empresas, ler relatórios e acompanhar o mercado acionário.

Como funciona o investimento nos fundos de ações?

Os fundos de ações são recomendados para quem não quer alocar tempo para a realização das atividades. Isso porque ao optar por esta opção, o investidor terceiriza a escolha das empresas que vão receber seu dinheiro, já que esta decisão será tomada pelo gestor do fundo, um investidor profissional.

Dessa forma, o investidor se torna cotista de um Fundo de Investimento e não acionista de empresas específicas. Todos os recursos são alocados nas empresas em que o gestor julga mais promissoras e rentáveis, de acordo com a Política de Investimento do Fundo de Ação.

Quais as vantagens tributárias para cada uma das opções?

O investidor que realiza suas transações através de um Home Broker fica isento de Imposto de Renda caso não atinja a quantia de R$ 20 mil/mês em vendas de ações.

Por outro lado, ao investir nos fundos de ações, o investidor se compromete a pagar impostos somente quando resgata seus investimentos e não toda vez que uma ação é vendida.

Quais as taxas cobradas em cada uma das opções?

Ao investir em ações por meio de um Home Broker, a corretora pode cobrar taxas de custódia e corretagem. A boa notícia é que, hoje em dia, muitas corretoras não cobram mais essas taxas.

Em contrapartida, ao investir por meio dos fundos de ações, as principais taxas são de administração (cobrança sobre volume investido) e performance (cobrança sobre o retorno positivo que supera o benchmark do Fundo).

Quais os reflexos dos investimentos no Imposto de Renda?

Uma das principais diferenças entre os fundos de ações e o investimento direto na Bolsa de Valores é a diferença operacional.

Por exemplo, se o investidor comprar 20 ações diferentes, ele receberá informes de rendimento de cada uma e deverá declarar 20 bens no seu Imposto de Renda, além de controlar dividendos, IR mensal e mais.

Ao investir nos fundos de Aações, o investidor declara um único bem, que são as cotas do fundo. Dessa forma, quando e se houve o Imposto de Renda, ele será retido na fonte.

E se você quer aprender mais sobre finanças não deixe de assistir aos vídeos do Prof. Liao, educador financeiro do C6 Bank.  

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.

Leia também: Como investir em criptomoedas pelo app do C6 Bank?