Guia do Investidor

O que são fundos de investimento?

Diversificação com uma pitada a mais de praticidade: entenda como os fundos de investimento funcionam


Mulher de banco sentada pesquisando no laptop sobre fundos de investimentos

Quem começa a se aventurar no mundo dos investimentos se depara com uma grande quantidade de opções. Entre elas estão os fundos de investimento, ideais para quem busca diversificação e praticidade.

Em 2021, os fundos de investimento bateram recorde de captação líquida positiva (diferença entre aplicações e resgates), de acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).  Foram R$ 369 bilhões, o maior montante registrado desde o início da série histórica, em 2002.

Pensando em explicar melhor o que é fundo de investimento, além de detalhar quais são os tipos e o que é preciso levar em conta antes de começar a investir,o C6 Bank preparou este texto. Nele, você encontrará respostas para as seguintes questões:

  • O que são fundos de investimento? 
  • Como funcionam os fundos de investimento? 
  • Quais os tipos de fundos
  • Como é a estrutura de um fundo de investimento? 
  • É seguro investir em fundos de investimento? 
  • Como investir em fundos no C6 Bank? (Passo a passo) 
  • Vantagens de investir no C6 Bank 

Quer ver outros conteúdos sobre investimentos? Confira também estes posts:

O que são fundos de investimento?

Um fundo de investimento é uma aplicação que funciona por meio de cotas. Ou seja, vários investidores aplicam em conjunto e o montante total, chamado de patrimônio, é administrado por um gestor ou um grupo.

São esses gestores que estabelecem como a quantia total será dividida e em quais investimentos ela será aplicada, buscando a melhor rentabilidade. Os eventuais lucros do investimento são divididos entre todos os cotistas.

Nos documentos do fundo, como lâmina e regulamento, o investidor encontra os dados e a estratégia adotada pelos gestores. Por isso é muito importante verificar essas informações antes de tomar a decisão de investir.

Para quem ainda está começando, temos uma boa dica. O Professor Liao Yu Chieh, educador financeiro do C6 Bank, explicou o básico dos fundos de investimento em um vídeo, disponível no canal do YouTube do C6 Bank. Basta acessar abaixo:

Fundos de investimento: o que você precisa saber antes de começar

Aliás, na plataforma do YouTube do C6 Bank você encontra diversas informações sobre este e outros tipos de investimentos. São vídeos curtos e bem explicativos. Vem aprender:

Conheça o canal do YouTube do C6 Bank

Como funcionam os fundos de investimento?

Como falamos acima, os fundos de investimentos funcionam por meio de cotas. Quando um investidor resolve aplicar seu dinheiro neste tipo de produto, ele compra a quantidade desejada de frações. A diferença entre a remuneração dos investidores será, portanto, calculada com base na quantidade de cotas de cada um.

Existe uma grande variedade de tipos de fundos: os que se dedicam a produtos de renda fixa, os imobiliários, de ações, multimercado, cambiais e de criptomoeda, por exemplo. Você vai entender melhor cada tipo no próximo tópico.

Quem se interessa por este tipo de investimento também deve saber que os fundos cobram algumas taxas. De forma simples, a taxa de administração é um valor cobrado pelo trabalho do gestor e é calculada com base no valor total do patrimônio mantido pelo investidor.

Já a taxa de performance incide quando o fundo apresenta resultado melhor do que o esperado. Ou seja: se a rentabilidade vier maior do que a acordada nos documentos apresentados, o gestor recebe essa espécie de bonificação. Imagine um fundo que cobra taxa de performance de 20% e tem como referência 100% do CDI. Se no período acordado, o fundo apresentar resultado de 110% do CDI, sua aplicação foi melhor do que o esperado, certo? Neste caso, os 20% da taxa de performance vão ser cobrados apenas sobre os 10% de diferença entre o benchmark e o resultado real.

Por falar em taxas, outro ponto de atenção ao tratar de fundos de investimento é a temida declaração do Imposto de Renda. Acertar as contas com o Leão não é a tarefa mais fácil. A primeira coisa a saber é que o imposto incide apenas sobre a rentabilidade (e não sobre o patrimônio total). Entenda como declarar fundos de investimento abaixo:

Impostos cobrados sobre fundos de investimento:

Fundos de curto prazo (vencimento em menos de 365 dias)
Esse tipo é tributado com duas alíquotas, conforme a tabela regressiva. Até 180 dias de aplicação, a alíquota é de 22,5%. Acima de 180 dias, a alíquota é de 20%.

Fundos de longo prazo (vencimento em mais de 365 dias)
Já o fundo de longo prazo mantém a alíquota variável de acordo com a tabela regressiva. Até 180 dias de aplicação, alíquota de 22,5%. De 180 a 360 dias, 20%. De 361 a 720 dias, 17,5%. Acima de 721 dias de aplicação, a alíquota é de 15%.

Fundos de ações
A tributação de fundos de ações é de 15% sobre o rendimento na hora do resgate, independentemente do período de aplicação.

O famoso come-cotas também confunde muita gente. Ele funciona como uma antecipação do IR, mas incide apenas nos fundos de curto e longo prazo, de forma semestral. O desconto é referente à menor alíquota de IR (15%) e acontece no último dia útil de maio e de novembro.

Isso significa que no momento do resgate do rendimento de um fundo, é preciso fazer uma conta: o valor a ser pago é somente a diferença entre o IR que já foi descontado pelo come-cotas e a alíquota referente ao prazo da aplicação. Na plataforma de investimentos do C6 Bank, essa cobrança acontece automaticamente no momento do resgate, então o investidor já recebe o valor líquido de IR.

Quais os tipos de fundos?

Já adiantamos alguns tipos de fundos de investimento, mas agora vamos detalhar o que é cada um deles.

Fundos de renda fixa

Esse tipo de fundo costuma ser bastante voltado a pessoas com perfil de investidor mais conservador. Isso porque ele se dedica a produtos de renda fixa, sendo mais impactado por variações como a da taxa de juros, a Selic, que após sucessivos aumentos passou a 13,75% ao ano na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) ocorrida nos dias 2 e 3 de agosto de 2022.

Fundos imobiliários

Os fundos imobiliários ou FII caíram na graça dos brasileiros nos últimos anos e basicamente são fundos que investem em empreendimentos imobiliários. Eles permitem que o investidor aproveite os benefícios de aplicar em imóveis sem precisar comprar um de fato e ainda ter uma liquidez muito melhor.

Se você gostou deste produto e quer se aprofundar sobre os fundos imobiliários, o Professor Liao Yu Chieh também tem um conteúdo para você:

O segredo para escolher um bom fundo imobiliário

Fundos de ações

Outra opção, desta vez para quem tem um perfil de investidor um pouco mais arrojado, é o fundo de ações. Neste caso, o patrimônio é majoritariamente investido em ações negociadas na Bolsa de Valores, a B3.

Assim como investir em uma ação é mais arriscado do que um CDB, por exemplo, quem aplica em um fundo de ações também corre mais risco do que quem investe em um fundo de renda fixa.

Fundos multimercado

Os fundos multimercado podem agradar quem busca ainda mais diversificação na carteira. Isso porque esse tipo não se compromete a aplicar o patrimônio em um tipo só de setor, mas sim em vários, podendo conter no mesmo fundo ações, câmbio e ativos de renda fixa, por exemplo. Esse tipo de produto ainda fornece uma boa versatilidade, uma vez que pode se modificar com mais facilidade em diferentes cenários.

Fundos cambiais

Nos fundos cambiais, o investidor ficará mais exposto justamente à variação de câmbio de moedas estrangeiras, tais como o dólar e o euro.  Esses fundos são bastante usados como hedge cambial por investidores.

Fundos de criptomoeda

Uma das formas de investir em criptomoeda sem necessariamente precisar comprar alguma é por meio dos fundos de cripto. Com eles, o investidor pode trazer mais diversificação para a carteira, mas com um pouco mais de segurança, já que eles contam com a proteção de instituições regulatórias, como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Anbima.

Como é a estrutura de um fundo de investimento? 

Para garantir o pleno funcionamento de um fundo de investimento, muitas pessoas são envolvidas. Entenda o que cada uma faz:

Gestor

Como já falamos bastante sobre o gestor do fundo, começamos por ele. Imagine um barco: o gestor seria o mesmo que o capitão, decidindo quais serão as estratégias adotadas. É quem decide quais os rumos do fundo de investimento, ou seja, como o patrimônio deverá ser alocado e em quais ativos. Também é papel do gestor prezar pelo retorno dos investimentos.

Custodiante

De onde saem os ativos escolhidos pelo gestor? Dos custodiantes. Eles são as instituições financeiras que abrigam os investimentos nos quais o gestor aplica o patrimônio do fundo. Ou seja: são as empresas que detêm as ações, ou os CDBs, por exemplo, em que o fundo investe. É de responsabilidade do custodiante fazer as operações de compra e venda.

Administrador

Essa é a figura que se responsabiliza pelo pleno funcionamento do fundo. Muito importante, o administrador (que pode ser uma empresa ou um grupo de empresas) deve garantir o cumprimento de normas legais e reportar como está a saúde dos investimentos tanto aos cotistas quanto para a CVM.

Auditor

Todos os documentos criados pelas partes citadas acima são analisados para evitar fraudes. O trabalho do auditor, que normalmente é uma empresa terceirizada contratada para fazer esse serviço, é analisar as demonstrações financeiras e outras papeladas do fundo para garantir que ele esteja dentro das normas de operação e que nenhuma contravenção seja feita.

Distribuidor

Investe ou pretende investir em um fundo? É com o distribuidor que você vai conversar. Ele irá vender as cotas do fundo, além de auxiliar a tirar dúvidas e questionamentos sobre os investimentos.

É seguro investir em fundos de investimento?

Sim, é seguro. Mas é preciso lembrar que investimentos não são livres de riscos. O que diferencia um ativo do outro é a exposição (maior ou menor) a ele. Por exemplo: se você aplicar em um fundo de renda fixa, o risco será relativamente menor do que um investimento em um fundo de ações que, como você já aprendeu, é baseado em ativos negociados na Bolsa de Valores e, portanto, mais volátil.

Outro risco que você corre ao investir em um fundo de investimentos, por exemplo, é o de liquidez. Ou seja: o período em que o investidor vai precisar esperar para ter o seu dinheiro na carteira de volta após liquidar a sua posição. Ao optar por um fundo de investimentos com baixa liquidez, você pode ficar com o dinheiro “preso” por mais tempo e, para uma reserva de emergência, por exemplo, essa pode não ser uma boa opção.

Aliás, por mais seguro que um fundo de investimentos seja, existem vários detalhes que quem opta por esse tipo de aplicação precisa observar antes de efetivamente investir o dinheiro. O principal é saber quais são os objetivos em mente para o investimento no fundo: quanto é esperado ter de retorno, qual a tolerância a perdas e se o prazo de investimento está dentro do desejado.

Já parou para pensar se conseguiria deitar a cabeça no travesseiro e dormir após ter visto seu investimento derreter? Esse é o tipo de pergunta que ajuda o investidor a ter uma ideia de qual a real tolerância a perdas. O suitability é um teste que pode ser muito útil neste momento. Ele é uma ferramenta importante para quem está nesta fase de análise dos investimentos para saber qual se adequa mais aos próprios objetivos.

Outro ponto importantíssimo para os futuros investidores é pesquisar sobre a gestora do fundo. Afinal de contas, é ela que vai gerenciar o seu dinheiro. Quem são os gestores, quais as estratégias de investimentos que eles adotam e qual o histórico do fundo: saber essas informações é essencial na tomada de decisão.

Mesmo que os fundos de investimentos não sejam aplicações nas quais os investidores precisam estar sempre acompanhando, consultar os documentos do fundo ainda é um passo fundamental. Isso não garante que o seu investimento será mais seguro, mas faz com que você se sinta mais confortável na tomada de decisão.

Na lâmina e no regulamento do fundo, o investidor vai encontrar informações como a aplicação mínima, as taxas, qual o prazo de carência e qual o retorno histórico. Aqui vale lembrar uma máxima do mundo dos investimentos: a rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Tenha isso sempre em mente. Essas informações são úteis apenas como histórico.

Enfim, para o investidor se sentir mais seguro ao aplicar em um fundo, a dica é: pesquise, entenda o seu perfil e estude as opções. Se o produto estiver alinhado com os seus objetivos, vá em frente. Caso contrário, continue procurando. Do mais conservador ao mais arrojado, você certamente vai encontrar muitas opções – inclusive, aqui no C6 Bank temos fundos, CDB, ações e muitas outras.

Como investir em fundos no C6 Bank? (Passo a passo)

Como falamos acima, o C6 Bank tem diversas opções de investimento, incluindo fundos. Quem optar por esta aplicação consegue fazer toda a operação de forma simples e rápida pelo aplicativo.

São duas opções: uma delas é self-service, no qual você escolhe o fundo que gostaria de investir, e a outra é por meio do TechInvest Fundos, no qual os gestores renomados da Carbon Asset trazem para você um mix de fundos de investimentos com renda fixa, ações e multimercados.

Confira a seguir o passo a passo de como investir em cada uma delas.

C6 Invest

Na modalidade self-service, você escolhe o fundo de investimentos por meio do aplicativo.

  1. Abra o app do C6 Bank
  2. Toque em “Todos”
  3. No menu, escolha “C6 Invest”
  4. Em “self-service”, toque em “Fundos”
  5. Escolha o fundo que gostaria de investir
  6. Toque em “Investir” e siga as instruções.

C6 TechInvest

Para quem procura a praticidade de não precisar escolher em quais fundos específicos vai investir, o C6 TechInvest tem a solução. Nele, você escolhe uma carteira alinhada com o seu perfil e tem acesso a diversos tipos de fundos, de uma só vez, com um único investimento. Nesta modalidade, além da facilidade na diversificação, você ainda tem mais comodidade. Com o TechInvest, nossos especialistas ajustam a sua carteira quando necessário. Confira o passo a passo:

  1. Abra o app do C6 Bank
  2. Toque em “Todos”
  3. No menu, escolha “C6 Invest”
  4. Em “Carteiras C6 TechInvest”, toque em “Fundos”
  5. Leia atentamente as indicações e toque em “Começar”
  6. Escolha sua carteira e toque em “Continuar” e siga as instruções

No C6 TechInvest Fundos, a partir de R$ 5 mil você já pode começar a investir, sendo o prazo de resgate de 3 a 33 dias. O custo do serviço é de 0,5% ao ano sobre o valor total da sua aplicação. O valor mínimo para fazer aportes adicionais é de R$ 1 mil.

Vantagens de investir no C6 Bank

Uma das vantagens de investir pelo C6 Bank é que existem opções para todos os bolsos. Nossa plataforma tem fundos de gestoras premiadas e reconhecidas pelo mercado, para todos os perfis de risco e com investimento inicial a partir de R$ 30.

Além disso, há opções de fundos com liquidez imediata ou produtos para quem pode investir por um período mais longo. O investidor encontra centenas de opções de gestoras consagradas, com diferentes prazos e valores.

Para quem procura outros produtos de investimentos, também temos opções. Se você tem perfil mais conservador, no C6 Invest encontra CDBs a partir de R$ 20, com a segurança do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), com opções pré e pós-fixadas com vencimento de até 7 anos.

Para os que possuem perfil mais arrojado e desejam operar em renda variável, o C6 Bank oferece milhares de ativos entre ações, FII, ETF e BDR. Você ainda conta com a vantagem de que não há cobrança de taxa de corretagem ou de custódia.

Procura uma previdência privada para planejar com sucesso a aposentadoria? O C6 Bank tem diversas opções. No nosso site você também encontra um simulador que mostra quanto você precisa investir para receber a renda mensal de aposentadoria.

E se você não tem tanto conhecimento de investimentos ou não tem tempo para acompanhar o que acontece no mercado financeiro, mas gostaria de aplicar parte do seu dinheiro, o C6 TechInvest pode te ajudar.

Ele é o produto de carteira administrada oferecido pelo C6 Bank e usa a experiência dos nossos especialistas e tecnologia de ponta para sugerir uma carteira de investimentos compatível com o seu perfil de risco e formatada para você atingir os seus objetivos.

O nosso algoritmo monitora constantemente as mudanças do mercado e, quando necessário, ajusta a sua carteira automaticamente em busca da melhor rentabilidade.

Você encontra carteiras de ativos globais, ações e fundos. Confira mais detalhes sobre eles abaixo:

C6 TechInvest Ativos Globais
No caso dos ativos globais, o C6 Bank te ajuda a montar uma carteira que combine com seus objetivos, com ativos nacionais e internacionais. Ao solicitar o resgate do seu investimento, o dinheiro cai em um dia útil na sua conta. O valor mínimo para começar a investir é R$ 1 mil e o custo dos serviços é de 0,7% ao ano sobre o total investido.

C6 TechInvest Ações
O C6 Bank e o J.P. Morgan Asset juntaram suas experiências para criar o C6 TechInvest Ações. São carteiras diversificadas, com ações nacionais e internacionais. A partir de R$ 5 mil você já pode investir e o prazo para resgate é de dois dias úteis. O custo dos serviços é de 1,2% ao ano sobre o total investido. O valor mínimo para fazer aportes adicionais é de R$ 1 mil e o saldo mínimo para permanecer com a sua carteira é de R$ 5 mil.

C6 TechInvest Fundos
E por fim, o C6 TechInvest Fundos traz opções das melhores gestoras do país, selecionados pelos especialistas do C6 Bank. Você tem acesso a diversos tipos de fundos, de uma só vez. Além disso, ainda tem mais tranquilidade, já que nossos especialistas monitoram o mercado para identificar oportunidades e ajustar a sua carteira quando necessário. Como falamos anteriormente, a partir de R$ 5 mil você já pode começar a investir, sendo o prazo de resgate de 3 a 33 dias. O custo do serviço é de 0,5% ao ano sobre o valor total da sua aplicação. O valor mínimo para fazer aportes adicionais é de R$ 1 mil.

Agora você já está preparado para ingressar no investimento em fundos. O importante é sempre lembrar de analisar a gestora e o histórico do fundo para saber se aquela aplicação se adequa ou não aos seus objetivos. No C6 Bank você encontra todas essas informações no aplicativo e no site. Basta acessar o link a seguir:

Fundos de investimento: centenas de opções, e os melhores gestores do país

Gostaria de ler outros conteúdos relacionados a investimentos? Confira alguns que selecionamos:

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.