Seu Bolso

O que é inadimplência?

Inadimplência e contas em atraso, entenda qual a relação entre os temas


Homem grisalho olhando para o tablet e pesquisando sobre indaimplência
Tudo o que você precisa saber sobre inadimplência.

Chegar ao fim do mês com todas as contas pagas tem se transformado em uma tarefa difícil no Brasil. O dinheiro das famílias brasileiras tem se mostrado insuficiente para pagar as contas básicas e a inadimplência financeira mostra sinais de crescer cada vez mais.

Nesta matéria, entenda o que é inadimplência e o impacto que ela causa na vida de milhões de brasileiros.

Relacionadas:

O que significa inadimplência?

Inadimplência significa o descumprimento de um contrato ou mesmo parte dele como o não pagamento de uma conta. Ou seja, quando uma pessoa deixa de pagar a conta de luz ou a fatura do cartão de crédito pode ser considerada um cliente inadimplente.

A sua relação com o dinheiro pode ser avaliada de diferentes formas pelas instituições, e ser considerado inadimplente é uma delas. A inadimplência determina se você está cumprindo com as suas obrigações, principalmente financeiras. E para as instituições, como financeiras e bancos, é importante entender se você honra os seus compromissos financeiros.

Como a inadimplência pode afetar a sua vida financeira?

Ao atrasar o pagamento de uma conta, a sua vida financeira é impactada negativamente. Isso acontece porque a pontuação do seu score de crédito, o indicador que diz se alguém é um bom pagador ou não, pode diminuir. Além disso, é possível que o seu nome fique negativado, o que limita o acesso a crédito e a outras operações financeiras.

Mapa de inadimplentes e a saúde financeira das famílias brasileiras

Honrar os compromissos financeiros já foi mais fácil. A inadimplência no Brasil está crescendo cada vez mais, o que não quer dizer que as pessoas estão ficando mais irresponsáveis. Um dos motivos que têm feito os perfis inadimplentes crescerem é a atual crise econômica: os preços de itens básicos estão aumentando e o salário mínimo não dá conta de arcar com todas as despesas que a família tem.

Em março de 2022, a Serasa registrou um crescimento no número de inadimplentes no Brasil de 0,81% em comparação a fevereiro, totalizando 65,69 milhões de inadimplentes. Banco/cartão é a principal dívida, representando 28,17%. As contas básicas (água, luz e gás) ocupam o segundo lugar, 23,21%.

Faixa etária de inadimplentes
+60 anos 17,6%
41 – 60 anos 34,9%
26 – 40 anos 35,2%
Até 25 anos 12,4%
Fonte: Serasa

Devido ao atual cenário de inflação, crise econômica, pandemia e o aumento da inadimplência, os critérios de concessão de crédito mudaram, ficando mais restritivos. Recentemente a Serasa alterou a forma como o cálculo do score de crédito é feito, buscando construir um cenário mais justo e contribuir para o aumento de poder de compra da população brasileira.

Por fim, se por um lado a crise econômica pode ser dos motivos que levam ao endividamento e você não consegue controlar, entendemos que educação financeira pode te ajudar a se organizar financeiramente, assim, separamos algumas dicas para você se organizar e evitar o atraso das suas contas:

Cartão de crédito não é um inimigo

Na verdade, o cartão de crédito pode ser um aliado. Os pontos positivos desse item é que ele possibilita que você tenha todas as contas em um só lugar, o que facilita a organização. Além disso, é possível acumular pontos e milhas. Se quiser saber mais, o C6 Bank oferece esses e outros vários benefícios, conheça clicando aqui

A dica aqui é não fazer mais compras do que pode pagar. Ou seja, se você tem um limite muito alto, a ideia é que ele seja reduzido a uma quantia menor, que encaixa no seu orçamento.

Parcelar ou apostar no pagamento mínimo também não é a melhor saída, uma vez que as taxas de juros são altas. Sempre que possível, pague o valor total até a data de vencimento.

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.

Leia também: Como economizar no mercado?