Guia do Investidor
Novidades

Metade dos jovens brasileiros faria dívida para investir no próprio negócio

Levantamento C6 Bank/Datafolha indica avanço nos hábitos financeiros da nova geração, mas também preocupa no quesito informação


Foto de uma jovem branca, morena, com o cabelo curto no estilo channel. Ela está sentada numa cadeira com os dois pés apoiados em cima de uma mesa a sua frente, segurando um celular na orelha com a mão direita e um café com a mão esquerda. Na cena ainda vemos um notebook e alguns papéis em cima da mesa e uma estante ao fundo.

Os jovens brasileiros já demonstram dominar conceitos básicos de educação financeira e de como gastar o dinheiro pensando no futuro. A mais recente pesquisa do C6 Bank/Datafolha indicou, por exemplo, que 50% dos meninos e meninas de 12 a 17 anos usariam o dinheiro de um empréstimo para empreender. Outros 42% se endividariam para pagar um curso no exterior, enquanto menos de 15% aceitariam fazer uma dívida para comprar computadores ou celulares, para se dar um presente ou fazer um tratamento estético.

O Datafolha ouviu 942 adolescentes e jovens de 12 a 17 anos, de todas as classes sociais e regiões do país, entre 18 e 25 de outubro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais.

“Aos serem perguntados sobre o que os levaria a entrar numa dívida hoje para pagar no futuro, a maioria dos jovens demonstrou ter uma consciência maior em relação ao uso do dinheiro e isso é muito positivo”, diz Liao Yu Chieh, head de educação financeira do C6 Bank. “Esse tipo de dívida, nessa fase da vida, e bem planejada, pode render bons frutos no futuro. É diferente de tomar um empréstimo para fazer um gasto de consumo, comprando um carro ou um celular por exemplo.”

Entre jovens das classes A e B, estudar fora lidera a lista de situações em que se endividar valeria a pena neste momento. Já entre os adolescentes da classe C, D e E, montar ou investir no próprio negócio seria a principal razão para assumirem uma dívida. Os dados vão na mesma direção de outras pesquisas sobre empreendedorismo, que apontam um interesse crescente de jovens por ter o seu próprio negócio.

A compra por impulso também não aparece como um hábito financeiro comum entre os jovens brasileiros, segundo o levantamento do C6 Bank/Datafolha. Pelo contrário. Entre os entrevistados de todas as classes sociais, 83% afirmam que antes de comprar um item se perguntam se realmente precisam dele — lição importante para quem busca uma vida financeira saudável.

Questionados sobre o que os faria guardar dinheiro, um terço dos jovens respondeu que manteria uma reserva para usar em caso de imprevisto e 24% para investir e ter um rendimento mensal daqui a algum tempo. Outros 20% guardariam recursos para comprar algo que queiram muito daqui a alguns meses e 16% já pensam na aposentadoria. Entre as meninas, 37% guardariam dinheiro para imprevistos e, entre meninos, 26%. No geral, 69% afirmaram que guardam dinheiro atualmente.

Pouca informação

Como era de se esperar, os jovens também são otimistas: 89% acreditam que terão uma vida financeira melhor que a de seus pais daqui a 20 anos. Os planos para o futuro, no entanto, podem esbarrar na preocupante falta de informação. A pesquisa C6 Bank/Datafolha mostrou que 75% não têm nenhum conhecimento sobre previdência privada, 73% dizem não saber nada sobre cheque especial e 68% não têm informação nenhuma sobre a bolsa de valores. Só no caso dos juros do rotativo do cartão de crédito esse percentual é mais baixo, de 44%.

“A própria pesquisa nos mostra que o cartão de crédito é um produto mais presente no dia a dia dos jovens brasileiros: mais da metade toma emprestado os cartões dos pais, com a senha inclusive, quando precisa fazer alguma compra”, lembra Liao Yu Chieh.

Além de terem pouco conhecimento sobre temas relevantes em finanças, a pesquisa mostrou que cerca de 44% buscam informações sobre como lidar com o dinheiro em perfis das redes sociais, como Instagram, Tik Tok, Twitter e Facebook. Apenas 6% afirmam buscar conteúdo em sites especializados ou de notícias. Além disso, 64% concordam que dá para ganhar muito dinheiro em pouco tempo fazendo investimentos por conta própria com base em dicas da internet.

“Esse é um dado extremamente preocupante, porque são raríssimas as pessoas que ganham muito dinheiro em pouco tempo. A grande maioria perde e pode perder muito. Os que aparecem nas redes sociais e dão essa falsa impressão são na verdade sobreviventes”, afirma Liao.

Produtos financeiros

A pesquisa C6 Bank/Datafolha apontou que 29% dos adolescentes e jovens brasileiros têm algum produto financeiro em seu nome, especialmente nas classes A e B, em que o percentual é de 48%. O mais comum é ter conta com cartão de débito (20%) e poupança (14%).

Em outubro, o C6 Bank lançou uma modalidade de conta gratuita para crianças e jovens, a conta Yellow, em que é possível receber mesada, enviar e receber Pix, e fazer operações com cartão de débito — um incentivo à educação financeira, que deve começar em casa e desde muito cedo.

A contratação da conta é feita diretamente no app no C6 Bank pelos pais ou mães dos jovens que tenham até 17 anos e seis meses de idade. Depois de uma análise, a criança ou adolescente pode baixar o aplicativo Yellow no smartphone, fazer o cadastro e escolher a cor do seu cartão de débito Mastercard. São cinco opções: amarelo, azul, verde, rosa pink e laranja. Todas as compras feitas pelas crianças são comunicadas aos responsáveis por SMS. No banco, o atendimento é feito pela conta do responsável, que também pode acompanhar a movimentação e o extrato da conta Yellow.