Guia do Investidor

O que são os Fundos DI?

Provavelmente já te ofereceram a possibilidade de investir em fundos DI. Mas vale mesmo a pena?


Homem negro, de terno e óculos, olhando para a câmera e pensando sobre fundos di

Se você já está envolvido no mundo dos investimentos, já deve ter recebido a oferta de fundos DI. Mas você sabe o que é isso?

Neste post, vamos esclarecer do que se tratam, como funcionam e quais as vantagens desse investimento. Confira mais a seguir.

Relacionadas:

O que são fundos DI?

Os fundos DI são um fundo de investimento de baixo risco, sendo assim indicados para quem quer formar uma reserva de emergência.

O objetivo dos fundos DI é o acompanhamento da taxa do CDI, seu índice de referência.

Já falamos de CDIs anteriormente aqui no blog, mas vale relembrar que eles são os Certificados de Depósito Interbancário. Ou seja, títulos emitidos por instituições financeiras com o objetivo de transferir recursos entre instituições que possuem reserva e instituições que necessitam de capital para repor o seu caixa.

Nessas transações entre os bancos é cobrada uma taxa: a taxa DI, que serve como referência para investimentos de renda fixa e é obtida através da média dos juros cobrados nas operações.

Qual a rentabilidade dos fundos DI?

Os fundos DI possuem uma rentabilidade que tende a acompanhar a taxa do CDI, mas sofrem a interferência dos descontos no resultado.

Um dos descontos é a taxa de administração, que pode variar de 0,3% a 3,5%. Por isso, é possível afirmar que fundos DI rendem entre 80% e 100% do CDI.

De qualquer forma, a rentabilidade divulgada do fundo já é líquida da taxa de administração. Ou seja: o investidor não precisaria ainda descontar do seu resultado, apenas o imposto, posteriormente.

Vantagens e desvantagens dos fundos DI

Vantagens:

  • Baixo risco: menor risco do mercado, por terem grande parte dos investimentos em títulos públicos.
  • Liquidez diária: a maioria possui. Uma grande vantagem, considerando a possibilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento.
  • Aplicação mínima inicial baixa: possibilita a investidores iniciantes ou com pouco capital a fazerem o investimento.

Desvantagens:

  • Taxa de administração: busque sempre por taxas mais baixas, para perder menos rendimento. Como o fundo DI busca apenas acompanhar o índice de referência passivamente, a taxa de administração está diretamente ligada a um melhor desempenho do fundo.
  • Falta de cobertura do FGC: ao contrário de investimentos como CDB, LCI e LCA, os fundos DI não são cobertos pelo Fundo Garantidor de Créditos.
  • Tributação: os fundos DI são incididos pelo IR sobre os lucros. O pagamento é feito no momento do resgate e segue a tabela regressiva, de acordo com o período transcorrido.
    Além disso, incide também o come-cotas e, para aplicações de até 30 dias, o IOF.

Em geral, as vantagens se sobressaem em relação às desvantagens, fazendo os fundos DI figurarem como um bom investimento, mais vantajoso até que a poupança.

Como investir em fundos DI?

A partir daí, cabe a você, investidor, avaliar se esse investimento corresponde ao seu perfil de investidor. Em seguida, compare os custos e a rentabilidade dos fundos disponíveis. Ambos são fatores determinantes para o retorno do investimento.

Vale ressaltar que você precisará abrir uma conta em uma corretora de valores independente, com taxas de administração mais baixas. Com a conta criada, transfira dinheiro da sua conta corrente para a conta na corretora.

Por fim, analise as alternativas de fundos DI disponíveis e escolha a que mais corresponde ao seu perfil e objetivos.

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.

Leia também: Como calcular a rentabilidade do CDB sobre o CDI?