Seu Bolso

Relp: entenda o programa de parcelamento de dívidas do Simples Nacional

Conheça o novo programa de parcelamento de dívidas do Simples Nacional e confira quem pode aderir


De volta à ativa: 85% das pequenas empresas retomaram suas atividades
Quem pode aderir ao Relp?

No último dia 29 de abril, o Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (Relp) foi anunciado no Diário Oficial da União.

Através do programa, micro e pequenas empresas, inclusive em regime MEI, poderão reduzir e parcelar suas dívidas.

Para aderir ao programa, a dívida deve ter sido apurada pelo Simples Nacional e ter vencimento até fevereiro de 2022.

Conheça o novo programa e entenda como você pode aderir e quitar as dívidas da sua empresa:

Relacionadas:

O que é o Relp?

O Relp é um novo programa do Simples Nacional para quitação e redução das dívidas para micro e pequenas empresas.

Será possível parcelar as dívidas em até 180 vezes, com redução de até 90% das multas e juros.

O objetivo do programa é ajudar empresas a se recuperarem dos impactos econômicos causados pela pandemia da COVID-19.

Portanto, as condições de redução e parcelamento vão depender do volume da perda de receita entre os meses de março a dezembro de 2020.

A previsão da Receita Federal é de que 400 mil empresas vão aderir ao programa.

Importante: as multas por descumprimento de obrigação acessória e os demais débitos não abrangidos pelo Simples Nacional não se qualificam para o programa.

Além disso, contribuições previdenciárias apuradas nas formas dos anexos IV e V da Lei Complementar nº 123/2006 e as dívidas de empresas com falência decretada também não entram no Relp.

Como o programa funciona?

Para aderir ao programa é preciso acessar o portal e-CAC, que está disponível no site da Receita Federal. O prazo de adesão se encerra no dia 31 de maio.

Todas as dívidas que serão incluídas no programa devem ser indicadas pela empresa durante o processo de adesão.

O pedido será aprovado após o pagamento da primeira parcela, dentro do prazo estipulado.

Para realizar o pagamento, é preciso lembrar que o valor de cada parcela não pode ser inferior a R$300, no caso de empresas, e R$50, no caso de MEI.

A cada parcela, será acrescido o valor dos juros de acordo com a Taxa Selic, acumulada mensalmente.

Os juros serão calculados a partir do mês subsequente ao pedido de adesão até o mês anterior ao pagamento, e de 1% relativamente ao mês em que o pagamento foi efetuado.

Ainda não é cliente do C6 Bank? Abra uma conta C6 Empresas e tenha tudo para seu negócio com uma conta digital, ilimitada e gratuita com cartão, saques, pix, crédito e muito mais.

Leia também:

Como fazer um planejamento financeiro?