Economia

Resumo semanal: Sinais de desaceleração da atividade nos EUA

Confira as principais notícias da semana, segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank


Confira as principais notícias da semana (16/5-20/5), segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank. Leia a íntegra do relatório.

Internacional

Estados Unidos: mercado imobiliário começa a desaquecer

O setor imobiliário dá sinais de moderação. Os índices de permissão para construir e de construção de novas moradias encolheram 3,2% e 0,2% respectivamente em abril frente ao mês anterior, segundo o Departamento de Comércio. Apesar da queda, ambos continuam acima do nível pré-pandemia. A venda de casas usadas diminuiu 2,4% no mesmo período, foi o terceiro mês consecutivo de declínio indicando uma perda de impulso. Entretanto, o estoque de casas disponíveis para venda continua baixo e pressionando os preços. A confiança das construtoras (NAHB Housing Market Index) diminuiu 8 pontos, recuando para 69 em maio. Esta foi a quinta queda consecutiva do índice, que permanece elevado, mas sinalizando moderação de construções nos próximos períodos.

A atividade seguiu sólida em abril. As vendas no varejo subiram 0,9% em relação ao mês anterior, segundo o Departamento de Comércio. Além disso houve forte revisão para cima em março, mantendo vendas acima da tendência pré-pandemia. A produção industrial acelerou 1,1% no mesmo período, segundo o banco central americano. Houve crescimento na produção de veículos e autopeças, que se manteve acima da média de 2019.

Os índices regionais de atividade industrial do Fed sugerem enfraquecimento dos negócios em maio. O índice do Empire State Fed sinalizou contração da atividade, com queda expressiva na demanda e produção, enquanto o índice do Philadelphia Fed desacelerou apesar do aumento na demanda e produção. Em comum, os índices sinalizam uma contínua pressão de preços e uma persistência de gargalos na cadeia produtiva.

O mercado de trabalho continua forte. Os pedidos iniciais de seguro-desemprego, divulgados pelo Departamento do Trabalho, alcançaram 218 mil na semana encerrada em 14 de maio, um aumento de 21 mil em relação a semana anterior. Apesar do aumento, em nossa visão, o índice segue em patamar compatível com uma taxa desemprego ao redor de 3%.

Os números de novos casos de Covid-19 e de hospitalizações continuam baixos, mas estão aumentando na margem. O aumento de casos tem ocorrido principalmente no nordeste e meio-oeste americano.

Europa: 300 bilhões de euros para garantir eficiência energética até 2030

O conflito entre Rússia e Ucrânia está quase completando três meses. A Rússia continua tendo dificuldades de alcançar seus objetivos e os ataques continuam. A Ucrânia mostra resistência e segue recebendo ajuda militar, financeira e humanitária do ocidente. Negociações diretas entre Rússia e Ucrânia estão praticamente paradas. O conflito deve se estender por mais tempo do que era previsto.

Os preços das commodities continuam com alta volatilidade. Entre os dias 13 e 19 de maio, o petróleo ficou estável em 0,4%. O gás natural diminuiu 6% no mesmo período, em meio à chegada de gás liquefeito importado.

A União Europeia apresentou um plano de investimento de 300 bilhões de euros a ser realizado até 2030. Desse total, 12 bilhões de euros serão destinados a investimentos em infraestrutura de gás natural e petróleo com o objetivo de tornar o bloco independente de energia russa. A maior parte dos recursos será usada para o desenvolvimento de fontes renováveis e um aumento da eficiência energética.

No Reino Unido, o mercado de trabalho continua mostrando sinais de aquecimento. A taxa de desemprego recuou para 3,7% na média de três meses até março, menor nível em quase 50 anos. Os salários, excluindo bônus, aceleraram 4,2% em março. O número de vagas em aberto alcançou novo recorde de 1,29 milhão na média de três meses até abril e as contratações aumentaram em 121 mil no mês, acima do esperado. As vendas no varejo subiram 1,4% em abril frente ao mês anterior, apesar do aumento no custo de vida. A inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) continuou acelerando, conforme esperado. O índice teve o maior aumento desde o início da série em 1950, passando de 7% nos últimos doze meses até março para 9% em abril. A alta nos preços foi causada por forte aumento no preço de energia (52,1%). O núcleo da inflação (exclui alimentos e energia) subiu robustos 6,2%. A confiança do consumidor recuou mais 2 pontos para -40 em maio, menor nível desde o início da série em 1974, possivelmente refletindo a alta inflação.

China: Xangai reabre a economia gradualmente

O número de novos casos de Covid-19 continua com tendência de queda, passando de dezenas de milhares há três semanas para aproximadamente mil recentemente. Os casos continuam concentrados em Xangai, mas a boa notícia é que a cidade, depois de quase 2 meses em lockdown, começou uma reabertura gradual. Em Pequim, o número de novos casos também permanece baixo, depois de seguidas testagens em massa. Medidas restritivas duras, que fazem parte da estratégia de Covid zero, como testagens frequentes e isolamento de pessoas infectadas, devem continuar sendo aplicadas para evitar a disseminação do vírus e lockdowns custosos como o de Xangai. O primeiro-ministro chinês insistiu para governadores serem mais proativos em buscar estabilidade econômica local, principalmente neste mês de maio, ponderando que a inflação estável cria espaço para medidas de alívio para empresas. Por enquanto medidas de estímulo ao consumo não foram adotadas.

O banco central da China (PBOC, na sigla em inglês) manteve inalterada a taxa de juros de curto prazo (LPR 1 ano) em 3,7% ao ano, mas reduziu em 15 pontos-base a taxa de juros de longo prazo (LPR 5 anos), usada como referência para hipotecas, para 4,45%. O corte na taxa de 5 anos surpreendeu positivamente e segue um enfraquecimento do setor imobiliário. A medida soma-se a outra, anunciada na semana passada, de corte de 20 pontos-base em hipotecas para os que estão comprando imóveis pela primeira vez.

A economia esfriou no mês de abril em razão do surto de Covid-19 e de medidas rigorosas de confinamento em várias cidades que diminuíram a mobilidade, levaram ao fechamento de fábricas e a atrasos em portos e rodovias. Tais medidas pesaram sobre a atividade enfraquecendo o consumo, os investimentos e a produção.

As vendas no varejo contraíram 11,1% em abril frente ao mesmo mês do ano anterior. Houve queda significativa nas vendas de veículos (36,1%) e em serviços de restaurantes (22,7%). A produção industrial diminuiu 2,9% no mesmo período. Houve queda na produção de veículos e contração e desaceleração nas demais indústrias, em razão do fechamento temporário de fábricas e falta de insumos. A taxa de desemprego urbano subiu para 6,1%, refletindo incertezas internas e externas, se aproximando do pico de 6,2% alcançado em fevereiro de 2020.

O investimento em ativos fixos (FAI, na sigla em inglês) desacelerou para 6,8% nos quatro primeiros meses do ano frente ao mesmo período do ano anterior. Houve moderação nos investimentos em manufaturas, que seguem apoiados por políticas públicas e exportações sólidas, desaceleração nos investimentos em infraestrutura e queda nos investimentos imobiliários, em razão de dificuldades financeiras enfrentadas pelo setor e das restrições à mobilidade. As vendas de imóveis residenciais contraíram 32,2% no mesmo período. O preço médio de casas novas em 70 cidades chinesas cedeu 0,3% em abril, oitava queda consecutiva do índice, sinalizando menor confiança de potenciais proprietários com empresas do setor.

Brasil

Inflação: IGP-10 registra desaceleração, influenciado por preços agrícolas

O IGP-10 avançou 0,1% em maio, abaixo do esperado, e acumula alta de 12,13% em 12 meses – trajetória de desaceleração. A composição dos índices de atacado mostrou o IPA agrícola em deflação – queda de 1,59% frente à alta de 0,9% no mês anterior. Por outro lado, o núcleo do IPA industrial – que inclui apenas os itens relacionados à inflação de bens industriais do IPCA, excluindo alimentos, combustíveis e minério de ferro – registrou elevação de 1,49% ante 1,54% em abril e segue pressionado. No acumulado em 12 meses, ambos indicadores seguem em patamar elevado, em 19,6% para o núcleo dos bens industriais e em 12,5% para o IPA agrícola. À frente, esperamos que os IPA´s sigam desacelerando no acumulado em 12 meses, no entanto essa queda será lenta. Mantemos nossa projeção de 8,4% para o IPCA de 2022.

Fiscal: governos regionais seguem impulsionando resultado fiscal

O resultado primário do setor público consolidado de março foi de R$ 4,3 bi, acima das expectativas. O resultado positivo foi impulsionado pelo superávit de R$ 11,8 bi registrado pelos governos regionais. O resultado nominal, por outro lado, veio abaixo do esperado e registrou déficit de R$ 26,5 bi. A dívida líquida subiu, passou de 57,1% para 58,2% do PIB, influenciada principalmente pela valorização da moeda, mas também pelo pagamento de juros. Esse resultado aumenta a chance de revermos nossa projeção de superávit para o setor público consolidado, que hoje é de 0,5% do PIB para 2022.

Nota: O Banco Central não divulgou essa semana a pesquisa do Boletim Focus devido à greve dos servidores. 

Equipe Econômica C6 Bank

Felipe Salles Head
Claudia Moreno Head Brasil
Claudia Rodrigues Head Internacional
Felipe Mecchi Internacional
Heliezer Jacob Brasil

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A.

Os números contidos nos gráficos de desempenho referem-se ao passado; o desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

Cada analista de Macro Research é o principal responsável pelo conteúdo deste relatório e atesta que:

(i) todas as opiniões expressas refletem com precisão suas opiniões pessoais e eventual recomendação foi elaborada de forma independente, inclusive em relação ao Banco C6 S.A. e / ou suas afiliadas;

(ii) nenhuma parte de sua remuneração foi, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações específicas realizadas pelo analista.

Parte da remuneração do analista vem dos lucros do Banco C6 S.A. e / ou de suas afiliadas e, consequentemente, as receitas decorrem de transações mantidas pelo Banco C6 S.A. e / ou suas coligadas.

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A., uma instituição regulada por autoridades brasileiras.

O Banco C6 S.A. é responsável pela distribuição deste relatório no Brasil.

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.