Guia do Investidor

Foi demitido? Veja como adaptar as finanças e investir a rescisão

Se você perdeu o emprego, mantenha a serenidade e faça alguns ajustes no orçamento para investir a rescisão


mulher sentada olhando para a tela do computador

Nunca é uma boa hora para perder o emprego. Mas, se você foi o contemplado da vez, é importante manter a serenidade e fazer alguns ajustes no orçamento para investir a rescisão e atravessar a situação.

Quem tem um emprego formal com os respectivos direitos trabalhistas recebe diversas verbas rescisórias ao ser desligado: aviso prévio, FGTS, multa e pagamentos proporcionais de férias e décimo terceiro. Esse dinheiro dá um fôlego financeiro mais que bem-vindo enquanto não vem a recolocação.

Relacionadas:

Como adaptar minhas finanças no curto prazo? 

O primeiro passo é reunir a família e expor a situação. Todos devem ser comunicados, inclusive as crianças.

Um orçamento organizado ajuda a identificar onde será possível fazer ajustes. Divida as despesas não em fixas e variáveis, mas em necessárias e não necessárias.

Não precisa fazer cortes radicais demais, que se tornam insustentáveis. É importante adaptar. Portanto, em vez de cancelar a internet, por exemplo, reduza a franquia de dados.

Qual é o momento de partir para mudanças mais drásticas? 

Não existe uma resposta fácil para essa pergunta, já que não é possível estimar com segurança quando você conseguirá se recolocar no mercado.

O ideal é que, assim que enxugar os gastos supérfluos, você veja quantos meses de despesas o valor recebido como rescisão conseguirá pagar.

Sinta o mercado e, quando faltarem 3 ou 4 meses para o dinheiro acabar, pense nas decisões mais drásticas.

Tenho dívidas. Faço um esforço para quitá-las e fugir dos juros?

Depende. Se com a rescisão você conseguir quitar tudo e ainda ficar com gordura para queimar por alguns meses, vá em frente. Mas, se for faltar, use apenas uma parte da rescisão para amortizar a dívida e preserve sua liquidez.

Como investir o dinheiro que ganhei na rescisão? 

De forma absolutamente conservadora, mesmo que seu perfil seja mais tolerante a risco. O mais importante aqui não é perseguir a maior rentabilidade, mas proteger o capital, evitando perdas. Por isso, não dá para fugir da renda fixa.

Os títulos mais recomendados são o do Tesouro Direto e CDBs com liquidez diária, sempre atrelados ao CDI. Outra opção são os fundos de renda fixa, que pagam em torno de 100% do CDI.

Eu já tinha uma reserva de emergência. Posso investir minha rescisão com um pouco mais de risco? 

Pode, se essa reserva for robusta, capaz de mantê-lo por pelo menos um ano.

Dica: primeiro enxugue suas despesas, veja o fluxo financeiro mensal e quanto vai precisar consumir da rescisão. Se estiver consumindo muito, melhor manter a reserva em alta liquidez e sem risco.

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.

Leia também: Por que empresas brasileiras preferem abrir capital nos EUA?