Guia do Investidor

5 lições obrigatórias para investidores

Confira princípios que qualquer investidor deve seguir


Foto de uma mulher negra, com cabelos cacheados, uma tela de computador e um notebook com códigos de programação na tela.

A pandemia do coronavírus trouxe consigo a crise e escancarou que muitos investidores estavam se esquecendo de princípios básicos de investimentos. Confira quais são:

Relacionadas:

5 lições obrigatórias para investidores

Abaixo você encontra 5 princípios que qualquer investidor deve seguir, esteja o mercado animado, se valorizando, tenso ou em queda.

1. Tenha um bom dinheiro guardado antes de pensar em investir em ações

O ideal é ter uma quantia guardada equivalente a 12 meses do seu custo de vida mensal. Isso porque, caso você perca o emprego ou tenha redução salarial, não ficará no sufoco.

Para isso, tenha em mente que custo de vida não é só com comida, aluguel e mensalidade da escola. Ele precisa incluir um pouco de lazer como cinema, cafezinho ou uma ida a um restaurante.

Dica: não acumule esse dinheiro na conta corrente. Opte por fundos de renda fixa, CDBs dos bancos tradicionais e fuja de fundos de crédito privado.

2. Cuidado com o efeito manada

Entrar no mundo de ações porque “o mercado está aquecido” é sinônimo de efeito mandada. Não é uma boa estratégia.

É muito comum ver investidores entrando no mercado quando ele já está valorizado – e os ativos, caros. Porém, há também aqueles que saem quando o mercado se desvaloriza e os preços caem. Dessa forma, por causa do efeito manada, ele perde dinheiro.

3. Diversificação precisa ser o mantra do investidor

Não se deve concentrar todo dinheiro em um único setor ou empresa. Se o investidor diversifica, o patrimônio não é todo impactado.

A recomendação é aplicar em fundos de ações ou multimercados.

4. Na bolsa, o retorno financeiro vem no longo prazo

Não se pode investir na bolsa de valores pensando que grandes retornos financeiros virão em semanas ou meses. Só se compra ação quem está disposto a esperar por, pelo menos, 5 anos para ver aquele dinheiro render de forma significativa e sustentada.

Esse é outro motivo pelo qual não se pode comprar ações com recursos que o investidor vá precisar nos próximos meses: no curto prazo, o ativo pode perder valor. A aposta na bolsa deve ser para o médio e longo prazo.

5. Peça ajuda e monte uma alocação ideal para você

Não comece a comprar ações baseadas em um relatório apenas ou o que um formador de opinião recomendou. Cada ativo tem suas individualidades, riscos e potenciais.

Como o mercado está mais desenvolvido e analistas de investimento estão mais acessíveis, experimente contratar um para te ajudar a montar sua carteira baseado na quantidade de recursos que você tem.

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.

Leia também: Ações ou ETFs: quantas é possível comprar ou vender?