Guia do Investidor

Tesouro Direto: o que você precisa saber antes de investir

O Tesouro Direto é um bom passo para investidores iniciantes que querem se aprofundar mais no mercado financeiro


Neste artigo, vamos explicar o que é o Tesouro Direto e como ele funciona

Todo investidor, mais cedo ou mais tarde, vai se deparar com o Tesouro Direto.

Este programa, de importante compreensão para quem quer ter sucesso no mercado financeiro, tem atraído milhares de brasileiros que tentam dar o primeiro passo nesse universo para além da tradicional poupança.

Neste artigo, vamos te falar tudo que você precisa saber sobre o Tesouro Direto antes de começar a investir. Confira:

Relacionadas:

O que é Tesouro Direto?

O Tesouro Direto não é um produto de investimento. Na verdade, Tesouro Direto é um programa do governo federal criado em parceria com a Bolsa de Valores (B3).

A ideia por trás desse programa é servir como uma plataforma para compra e venda de títulos públicos federais, por pessoas físicas. Esses títulos, sim, são produtos de investimento.

Como funciona esse tipo de investimento?

Ao comprar um título público, você está emprestando dinheiro ao governo. Como retorno, você recebe o valor investido mais o acréscimo de juros.

Vale ressaltar que, por ter sido feito pela bolsa de valores, você sempre faz esse investimento por meio de uma corretora.

Os títulos no Tesouro Direto se tornaram populares por serem uma alternativa de renda fixa com baixo investimento inicial. É possível investir em títulos públicos começando com menos de 40 reais.

Outra vantagem desse tipo de investimento é a variedade. Hoje, o Tesouro Direto oferece dez alternativas de prazos e indexadores diferentes.

Assim, você pode escolher os títulos de acordo com seus objetivos e sua disponibilidade – basta ficar atento às taxas e impostos para investir com mais sabedoria.

Quais os descontos?

Os títulos, assim como os CDBs, também têm Imposto de Renda e IOF. Esses descontos são feitos no resgate, e têm relação com o prazo que você deixou investido.

Para evitar ainda mais perdas no seu rendimento, vale dar preferência a corretoras com taxa zero para títulos públicos. Felizmente, o site do Tesouro Direto disponibiliza uma lista com uma relação das corretoras que cobram ou não taxas.

E tem mais: outra taxa que você precisa observar é a taxa de custódia, a taxa da B3. Essa é uma taxa fixa, de 0,25% ao ano, cobrada sobre todos os investidores semestralmente.

É isso! Esses são os pontos essenciais que você precisa conhecer antes de começar a investir no Tesouro Direto.

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital gratuita, peça seu cartão sem anuidade com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.

Leia também: Fundos de ações ou investir direto na bolsa de valores?